20.7.14

voar

De todas as asas que me tens dado, eu não tenho usufruído de nenhuma. É por medo, somente por medo. De que essas asas me façam voar alto demais. Ou me façam voar demasiado baixo. Então não as uso, para o teu bem e também para o meu. Para que ninguém caia de cabeça e acabe com o coração despedaçado. Ser racional enquanto é tempo.

Sem comentários:

Enviar um comentário