27.12.13

por ser tão coração mole

Eu sinto o dobro do que é suposto sentir. O pouco torna-se muito e o muito torna-se no inexplicável. Daí que vejo tudo onde não tem rigorosamente nada. Metaforicamente, é como que um lençol de ilusões. Que eu depois rasgo, já cansada da mentira. E o que resta são pedaços. E eu sou assim, cheia de cortes irregulares, de cicatrizes mal-curadas e de histórias inacabadas. Sou prisioneira dos meus próprios actos, é verdade. E a rapidez com que o tempo passa começa a assustar-me. Nada é o que eu queria, nada é como foi. Quero sentir menos. Ser menos. Adiante, amanhã é outro dia.

21 comentários:

  1. "E eu sou assim, cheia de cortes irregulares, de cicatrizes mal-curadas e de histórias inacabadas." oh, que piada teria a vida se todas as cicatrizes estivessem coradas e todas as histórias acabadas? se tudo fosse regular? oh, a tua vida é bonita por ser assim, e só assim faz sentido. somos poços profundos de emoções, só temos de encontrar aquelas que verdadeiramente queremos sentir:)

    ResponderEliminar
  2. Escreves tão bem, parabéns :)
    R: Pois, ter optado por uma faculdade perto de casa foi sem dúvida um dos meus piores erros. Mas por questões financeiras e tb por vontade própria assim o quis.

    ResponderEliminar
  3. olha princesa, a vida ensina-nos da pior forma, mas da forma mais eficaz. não deves olhar para as coisas más como isso mesmo, coisas más, são ensinamentos que de outro modo não os terias. só depois de sermos humilhados por alguém é que não nos deixamos humilhar de novo. só depois de cairmos é que sabemos onde devemos fazer mais força para não voltar a cair. e sozinha? nunca estarás sozinha...! estarei sempre aqui:)

    ResponderEliminar
  4. E porque não o dizes?
    Muito obrigada, também gostei bastante do teu :)

    ResponderEliminar
  5. Eu também sou um pouco assim...
    r: Um bom ano para ti também querida!!

    ResponderEliminar
  6. oh, é bom saber que te fiz sentir melhor...! (e vou estar sempre aqui para o fazer, ou pelo menos tentar). obrigada princesinha, e um dia serás tu a viver um amor destes, arrebatador e feliz, sem medos nem nada que nos atraiçoe...! um beijinho:)

    ResponderEliminar
  7. eu passei 2013 a querer sentir menos. hoje já só quero sentir mais.

    ResponderEliminar
  8. Há coisas que nunca deviam ser enterradas. Tens a certeza que essa devia?

    ResponderEliminar
  9. Talvez não tenhas a certeza porque é algo que ainda te magoa ou ainda faz parte de ti. As coisas só ficam definitivamente enterradas quando as deixa-mos para trás por completo.

    ResponderEliminar
  10. Se tudo fosse como idealizamos, a vida perdia grande parte da sua graça. É preciso passarmos por momentos mais complicados para nos tornarmos mais fortes e mais capazes de enfrentar tudo o que possa estar para vir.
    Escreves muitíssimo bem!

    ResponderEliminar
  11. (novo url http://jardins-efemeros.blogspot.pt/) obrigada

    ResponderEliminar
  12. adooooro o teu blog. é absolutamente lindo!

    ResponderEliminar
  13. Eu também sou assim.. Escreves muito bem, segui :)

    ResponderEliminar
  14. Sabes Inês, agora fizeste-me rir. Um dos problemas que tenho no relacionamento com o amor da minha vida, o meu marido, reside, exactamente, no facto de ele achar que eu sinto tudo "a dobrar". Não sei, mas eu acho que é de ser carangueja!

    ResponderEliminar
  15. Ah e esqueci-me de te dizer que sofri horrores com o fim de um relacionamento (o meu primeiro) que durava há 11 anos por traição. Julguei que era um sonho, um pesadelo que nunca mais ía acabar e que nunca mais ía conseguir acordar da mesma maneira (como me custa acordar quando estou em baixo). Mas, sem querer parecer maternalista, acredita que passa. Doi, doi muito mesmo. mas passa!

    ResponderEliminar