15.12.14

coisas das onze da noite, seis

Perdi-me pelos dias, mesmo sem me aperceber que a minha única perda estava em mim. Acordei desta espécie de coma em que me encontrava, no ínicio da noite, com a certeza que ninguém assim tão pobre de espírito merece as minhas lágrimas. E deito-me, de sorriso no rosto, com as piores das olheiras, com a certeza de que o meu Amigo lá de cima olhará sempre por mim e certamente irá fazer das suas.

Sem comentários:

Enviar um comentário