14.12.13

alma de pássaro

Não gosto de frases feitas, nem de morais de histórias. Acredito em sonhos, venero o improvável. Gosto daquela sensação de perder o fôlego, de sentir borboletas na barriga. Coração preenchido e livre ao mesmo tempo. Gosto de rir até me doer a barriga. Sou inconstante. Mudo de humor muito rapidamente. Tenho a capacidade de afastar as pessoas e sempre que me aproximo de alguém fico muito assustada. Quando me entrego, é de corpo e alma. Ou é tudo, ou nada. Eu também não gosto de meios termos. Choro em silêncio e parece que sou dada a lágrimas. E logo eu, que adoro sorrir constantemente. Mas, a vida tem destas coisas. Também posso ser o preto e o branco, só que ainda não consegui perceber se sou mais preto que branco ou mais branco que preto. E sabem, maravilhoso é saber viver: aprendi que, quando menos esperemos, algo mágico acontece. "Sou isto hoje, amanhã já me reinventei."

7 comentários:

  1. "Quando me entrego, é de corpo e alma. Ou é tudo, ou nada." oh, sou tão mas tão igual! para mim não há meios, há apenas extremos. ou amo ou odeio, ou desejo ou repugno. um beijinho:)

    ResponderEliminar
  2. Sofres do sindrome da zebra: não sabe se é preta com riscas brancas, se é branca com riscas pretas. xD
    Tirando esse pormenor, escreves bem e bonito. :-)

    ResponderEliminar
  3. sim, concordo contigo, aos olhos do amor e da amizade nada é impossível, tudo advém destes dois sentimentos e eu diria mesmo que são eles que nos dão alento. um bom domingo princesinha, e um beijinho:)

    ResponderEliminar
  4. infelizmente sei minha querida. Mas depois há qualquer coisa doce em repetir os maus actos e as tristezas através do exercício da escrita. A beleza também está na dor :) Um beijinho quente*

    ResponderEliminar